O consumo de álcool traz diversos problemas para a vida das pessoas, desde o desenvolvimento de doenças até os acidentes de trânsito, passando pelos problemas sociais e familiares.

Infelizmente, o álcool parece ser um potencializador da violência e quem acaba sofrendo mais com isso são as famílias dos indivíduos que possuem vício em bebidas alcóolicas.

Além dos problemas financeiros decorrentes do consumo excessivo dessa substância, ainda há a questão da violência física, moral e verbal, que pode levar ao desenvolvimento de doenças psicoemocionais e até a morte.

Sendo assim, este artigo irá tratar um pouco sobre a questão do consumo de álcool e a violência familiar que é causada por ele.

Acompanhe!

 

 

Álcool e violência familiar: qual a relação?

O álcool como potencializador da violência

O consumo de álcool, principalmente aquele que é excessivo, traz diversos problemas sociais à vida de um indivíduo.

Desde aqueles ocasionados pela baixa produtividade no trabalho, que pode acarretar na perda do emprego, até o que gera violência no trânsito, causando mortes (diretas e indiretas).

Além disso, a questão familiar de uma pessoa que tem o vício em bebidas alcóolicas torna-se muito complicada, especialmente quando trata-se da companheira e dos filhos.

A situação pode levar ao desenvolvimento de doenças físicas/mentais por parte dos envolvidos, tanto de quem bebe quanto daqueles que passam pelos problemas, em especial aquelas doenças como depressão e ansiedade.

A questão financeira também conta muito, pois o consumo de álcool em excesso pode fazer uma pessoa perder tudo o que tem para sustentar o vício.

O estágio mais sério dos problemas causados pelo álcool em ambiente doméstico é a violência familiar, que pode destruir uma família, levando inclusive à morte.

 

 

O álcool e a violência familiar

Vários estudos já demonstraram como o consumo de álcool está diretamente relacionado ao aumento do número de casos de violência familiar.

Por agir diretamente sobre o sistema nervoso, essa substância pode potencializar ou desenvolver o comportamento violento nas pessoas, levando-as a estados alterados que geram violência dentro de casa.

Os principais casos envolvem a agressão física do homem sobre a mulher, mas também pode comprometer os filhos e outros parentes que moram com ele na mesma casa.

A violência, que começa como agressões verbais, tende a desenvolver-se até culminar nas agressões físicas, que vão ficando cada vez piores.

Sem ser tratado e controlado, esse consumo abusivo de álcool pode ocasionar em mortes passionais, em que o marido (ou em casos menos raros, a esposa) pode matar sua companheira, e até mesmo os filhos.

Tudo isso só demonstra o quão prejudicial o consumo das bebidas alcóolicas pode ser na vida de quem bebe e também das pessoas que com ela convive.

Assim, o mais indicado é o tratamento que auxilie a cura do vício no álcool, evitando que situações como essa ocorram.

 

O NoAlc no tratamento contra o álcool

Para quem está buscando uma forma de tratamento eficaz e natural contra o álcool, não há nenhuma opção melhor do que o uso do NoAlc.

O NoAlc é um suplemento vitamínico que atua sobre o organismo, reduzindo o desejo compulsivo pelo álcool, fazendo com que o indivíduo pare de beber com maior facilidade, visto que ele reduz os sintomas da abstinência.

Se você deseja conhecer mais sobre o NoAlc, acesse este link e conheça tudo sobre esse produto (www.noalcoriginal.com.br).

 

 

Conclusão

Como você viu, o álcool pode prejudicar bastante a vida de qualquer pessoa, inclusive interferindo diretamente na parte profissional e pessoal.

Um dos maiores problemas do álcool é relacionado à potencialização da violência, principalmente a doméstica, que pode acarretar em agressões verbais e físicas.

Para quem deseja parar de beber, indico fazer o consumo do NoAlc, um dos melhores tratamentos naturais do mercado.

Gostou do artigo de hoje sobre as violências familiares causadas pelo álcool?

Se você ficou com alguma dúvida sobre esse assunto, escreva-a abaixo nos comentários para que eu possa ajudá-lo.