Quando estamos decididos a ajudar alguém que se encontra preso ao álcool, um dos passos mais importantes que podemos dar é, antes de qualquer coisa, entender o porquê do vício, como teve início, as razões que abriram caminho para o consumo exagerado e frequente da bebida alcoólica e as dificuldades que impedem essa pessoa de superar o alcoolismo.

PORQUE AS PESSOAS SE VICIAM?

Durante muito tempo o alcoolismo foi considerado socialmente como um problema de caráter e de fraqueza moral, por isso muitos dependentes e familiares deixavam de buscar ajuda por mero preconceito e vergonha. Ainda hoje, comportamentos semelhantes agravam a situação dos alcoólatras e a dependência segue causando inúmeros danos na vida social, pessoal, profissional e financeira do afetado.

Felizmente, a consciência de parte da sociedade tem mudado e compreendido que o assunto precisa de tratamento e cuidado. Dentre os fatores que ​levam uma pessoa a desenvolver o vício estão o desequilíbrio emocional, necessidade de ser aceito, baixa autoestima, insegurança, busca por status ou influência do comércio e da mídia.

Que os amigos influenciam na experimentação das drogas, lícitas ou não, é senso comum. Porém existem, ainda, aspectos da infância que interferem diretamente no desenvolvimento de vícios. Segundo estudo coordenado pelo psicólogo Ricardo Sánchez-Huesca, especializado em tratamento de drogados no México, os maus exemplos dos pais podem ser determinantes para transformar alguém em dependente químico. A pesquisa mostra que 70% dos dependentes entrevistados assistiram a maus-tratos do pai para com a mãe ou sofreram maus-tratos por parte dos pais. Em geral, os filhos costumam repetir na fase adulta os maus comportamentos dos pais.

Além da influência familiar, as pessoas que não têm Inteligência Emocional e não sabem como lidar com suas emoções encontram nos vícios uma forma de fugir do mundo interior. Até mesmo as pessoas que, enquanto crianças, sempre tiveram os desejos satisfeitos prontamente durante a vida têm grande tendência aos vícios, pois crescem sem limites e com dificuldade para lidar com frustrações, buscando prazer a qualquer custo.

O alcoolismo é uma doença complexa, em que o indivíduo passa a beber de forma descontrolada, constante e progressiva. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o uso abusivo de álcool está relacionado a 3,3 milhões de mortes por ano, o que significa que quase 6% das mortes em todo o planeta são atribuídas total ou parcialmente ao álcool. Uma vez iniciado o hábito de beber, com o passar do tempo, o organismo da pessoa passa a desejar a ingestão cada vez maior de álcool para sentir os mesmos efeitos e sensações da fase inicial.

Em seguida, surgem os efeitos psicológicos dessa tolerância e da dependência cada vez maior do álcool e que costumam tornar o afetado mais distante e menos presente no ambiente familiar junto dos filhos e do cônjuge, por exemplo.

COMO AJUDAR UM ALCOÓLATRA A PARAR DE BEBER

É um processo delicado fazer com que o alcoólatra perceba o seu vício e assuma que precisa de ajuda. Naturalmente, ele pode até t​er consciência de que o consumo de álcool está além do limite razoável, mas leva tempo para admitir que se tornou dependente. Por isso, é essencial que seus amigos e familiares o incentivem a buscar apoio.

Não force a pessoa a nada

Evite deixar a pessoa envergonhada e não a obrigue a largar a bebida. Aja com cautela para não agravar a situação. O seu apoio e incentivo são fundamentais.

Mostre-se disposto (a) a entender os motivos dela

Quando você valida, de alguma forma, a dor da outra pessoa em não conseguir sair do vício e entende melhor pelo que ela está passando, as chances de você ser ouvido se tornam maiores. Na conversa, pode existir a possibilidade da pessoa não querer saber do assunto (sobre o motivo que a levou a beber) ou ela pode negar a existência da compulsão, portanto tenha paciência até conseguir criar um momento oportuno para que ela se abra.

Se você tem alguma familiar preso ao vício, NOALC pode ajudar. Saiba mais em nosso site www.noalcoriginal.com.br